I know Kung Fu! – O E-Learning não é (só) ficção científica

Partilhar:
Artigo "I Know Kung Fu"

(Artigo originalmente publicado na edição #3 da Revista Game Changer)

Em 2027 provavelmente ainda não será possível descarregar conhecimento diretamente para o nosso cérebro, como no filme “The Matrix”.

No filme de 1999, o herói Neo acorda no futuro sem competências nem ferramentas para lutar contra os programas que controlam a Matrix, mas consegue rapidamente descarregá-los à medida das suas necessidades. Num ápice, ganha conhecimentos de Kung Fu e outras artes marciais e escolhe um arsenal de armas para o ajudar na difícil batalha que se avizinha.

Ficção Científica? Não necessariamente – a formação E-Learning já funciona de forma muito semelhante!

As Organizações recorrem atualmente a formação E-Learning para dotar os colaboradores de ferramentas e conhecimentos necessários para atingir objetivos e ultrapassar desafios. Aqui e agora, o Kung Fu e as armas são a formação em Tecnologias de Informação ou o desenvolvimento de Competências Empresariais. O processo não é, para já, instantâneo, mas tal como em “The Matrix” é digital, permite aos profissionais aprender e praticar a matéria ao seu ritmo e aceder a conteúdos customizados. A customização de conteúdos no E-Learning é, aliás, muito relevante e algo que tende a ganhar um maior peso no futuro: Os conteúdos são disponibilizados consoante as necessidades vão surgindo, sendo adaptados às características de profissionais e organizações. Uma formação “On demand”, se quisermos.

É a flexibilidade das metodologias que compõem o E-Learning que torna esta solução tão interessante para as Organizações. Invariavelmente confrontadas com os constrangimentos de sempre (orçamento, geografia, tempo/disponibilidade, perfil e número de colaboradores a formar), as Organizações encontram na formação mais e mais vantagens que assentam fortemente nos suportes e metodologias digitais, nomeadamente o E-Learning:

  • Elevado grau de Liberdade e flexibilidade, permitindo aprender ao seu ritmo e a partir de qualquer localização;
  • Elevado Potencial de escala, dado que o e-learning permite criar, implementar e partilhar políticas, formação, ideias e conceitos de forma relativamente rápida;
  • Assegura a consistência da formação para todos os formandos, tanto a nível de conteúdos como das metodologias empregues;
  • Permite um constante e rápido acompanhamento de atividades e medição de ROI;
  • Reduz a pegada de carbono através da eliminação de documentação em papel e realização de questionários de avaliação eletrónicos
  • Reduz consideravelmente o tempo que os colaboradores passam em formação, ausentes do local de trabalho, eliminando também as necessidades de deslocação e de formação em sala, o que leva a elevadas poupanças de tempo e dinheiro investido na formação dos colaboradores.

No filme, Neo acaba por derrotar as máquinas utilizando para isso a própria Matrix – um elaborado ambiente virtual criado para manter os humanos em cativeiro. É quase certo que, tal como na Matrix, a realidade virtual e a realidade aumentada farão parte do processo formativo em 2027, com fortes componentes de interação social, nos Massive Open Online Courses (MOOC) e uma crescente componente de Gamification, a utilização de características de jogos no processo formativo. Neste futuro, que estamos a construir já hoje, as ferramentas estão, assim, ao alcance dos Neos de cada organização.